top of page

O discurso de Constantino XI


Temos a honra de reproduzir aqui a íntegra traduzida do discurso derradeiro de Constantino XI, antes do combate final da queda de Constantinopla. Para nós, do História e Combate Medieval, é a cereja do bolo de todo esse especial esforço para trazer o máximo de informações a vocês. Esperamos que curtam este artigo e todos os demais textos do especial que produzimos.

O discurso

Mais nobres líderes, tribunos ilustres, generais, mais corajosos soldados e cidadãos honestos! Vocês sabem que a hora chegou: O inimigo de nossa fé decide nos pressionar ainda mais próximo ao mar e na terra com seus equipamentos e sua habilidade de nos atacar com toda sua força de cerco, como uma cobra que está prestes a liberar seu veneno; Ele tem pressa para nos devorar, como um leão selvagem. Por esta razão eu imploro a vocês para lutarem como homens com grande bravura na alma, como vocês estão fazendo desde o começo deste dia, como o inimigo de nossa fé.

Eu entrego a vocês a minha gloriosa, famosa, respeitada, cidade nobre, Rainha das Cidades, nossa terra natal. Vocês sabem bem, meus irmãos, que temos quatro obrigações em comum, que nos força a morte a sobrevivência; Primeiro a fé e piedade; segundo a nossa terra natal; terceiro, um imperador, apontado por Nosso Senhor, e o quarto, por nossos conhecidos, familiares e amigos.

Bem, meus irmãos, se temos que lutar para uma destas obrigações, nós seremos ainda mais responsáveis sob o comando destas quatro, como vocês bem podem compreender. Se Deus garantir a vitória aos ímpios, será por causa de nossos pecados, nós então devemos colocar nossas vidas em perigo por causa de nossa santa fé, a qual Cristo nos deu seu próprio sangue. Isto é o mais importante de tudo. Até para aquele que conquista todo o mundo, mas perde sua alma no processo, qual seria o benefício? Segundo, nós seríamos privados de nossa terra natal e liberdade. Terceiro, nosso império, renomado e glorioso por seu passado e com seu humilde presente, pequeno e exausto, será reinado por um homem tirano e ímpio. Quarto, nós seremos separados de nossas caras crianças, esposas e parentes.

Este sultão desgraçado cercou nossa cidade por cerca de cinquenta e sete dias com toda sua força e maquinário; Não relaxou o bloqueio seja por noite ou dia, mas pela graça de Cristo, Nosso Senhor, aquele que observa tudo, o inimigo foi repelido diversas vezes de nossas muralhas e retirou-se em desonra e vergonha. Entanto, até agora, meus irmãos, não sintam covardia, até as pequenas partes de nossas fortificações sucumbiram as explosões de seu maquinário balístico e como vocês podem ver, fizemos o possível para reparar. Nós estamos colocando toda a esperança na irresistível glória de Deus. Com algum armamento, outros com alguma cavalaria, força e números, mas todos nós acreditamos no nome de Nosso Senhor, Deus e Salvador e segundo, em nossos braços e força garantida a nós pelo poder divino.

Eu sei das incontáveis hordas dos ímpios que avançaram sobre nós, seja de acordo com seus costumes, violência, confiança e grande coragem com o objetivo de superar e sobrecarregar os defensores de forma bruta. Eles tentam nos amedrontar com suas bandas e seus inúmeros gritos de guerra. E vocês estão bem familiarizados quanto a isso e eu não preciso mais falar sobre isso. Por um longo tempo assim o fizeram e vão continuar; Jogara em nós incontáveis pedras, inúmeras flechas e instrumentos balísticos, como areia no mar. Mas eu espero que estas coisas não nos preocupem: Eu vejo, com grande júbilo e nutro com esperanças em minha mente que mesmo sendo poucos, somos guerreiros endurecidos e experientes – Corajosos, bravos e bem preparados. Protejam suas cabeças com escudos em combate e na batalha. Mantenham sua mão direita armada com a espada, a sua frente sempre. Seus elmos, couraças e demais peças da armadura devem ser suficientes em uso conjunto com suas armas e vão se provar efetivas em combate. Nossos inimigos não têm e não sabem usar estas armas. Vocês estão protegidos dentro das muralhas, enquanto eles devem avançar sem proteção e com fadiga.

Por estas razões, meus caros soldados, preparem-se, sejam firmes e mantenham-se valentes, para a compaixão de Deus. Tomem como exemplo os poucos elefantes cartagineses e como eles dispersaram a numerosa cavalaria romana com sua aparência e barulho. Se uma besta estúpida coloca outra para correr, nós, mestres dos cavalos e dos animais, podemos fazer muito melhor contra nossos inimigos que avançam, uma vez que eles também são animais estúpidos, pior até que porcos. Apresentem seus escudos, espadas, flechas e lanças a eles, imaginando que estão em um séquito caçando um javali selvagem, para que os ímpios entendam com quem estão lidando, não com animais tolos, mas com seus mestres, os grandes descendentes dos gregos e dos romanos.

Vocês estão bem conscientes que este sultão irreligioso, inimigo de nossa santa fé, violou sem nenhuma razão o nosso tratado de paz e quebrou outros inúmeros juramentos sem pensar por um segundo. Repentinamente, construiu seu castelo nos estreitos de Asomatosso na esperança de nos causar grandes danos. Colocou nossas fazendas, jardins, locais públicos, casas todas em tochas, enquanto matava e escravizava muitos de nossos cristãos quando os achava; Quebrou o tratado de amizade, virou amigo dos habitantes de Gálata, que com grande desgraça, observa esta atitude com felicidade, assim como estão inconscientemente vivendo a parábola do filho do fazendeiro que estava assando caramujos e disse: “Oh, criatura estúpida!”. Bem, meus irmãos, desde que ele começou o cerco e o bloqueio, todo dia ele abre sua boca insaciável na tentativa de devorar a cidade e a todos nós, da qual três vezes seja abençoado, Constantino, o Grande, a fundou e dedicou a mais casta Mãe de Deus, Nossa Senhora, Maria, a Eterna Virgem. Ela se tornou a Rainha das Cidades, o escudo de nossa terra natal, refúgio dos cristãos, a esperança e alegria de todos, assim, buscam a destruir a cidade, que outrora era orgulhosa, próspera e crescente, como uma rosa no campo.

Eu posso dizer que esta cidade foi mestre de todo o universo: Está localizada entres os pés de Pontus, Armênia, Paflagónia, as “Terras Amazonas”, Capadócia, Média, Geórgia e Colchis, Bósforo, Albânia, Síria, Cilícia, Mesopotânia, Fenícia, Palestina, Arábia, Judeia, Bactria, Cítia, Macedônia, Peloponeso, Tessália, Grécia, Beócia, Locris, Aetólia, Arcamânia, Acaia, Épiro, Ilíria, Lykhnites, Adriático, Itália, Toscana, os Celtas, e Celtas Gálatas, Hispania até Cadiz, Líbia, Numídia, Etiópia, Beledes, África e Egito.

Afora ele quer escravizá-la e a transformá-la na Cortesãs das Cidades, com nossas santas igrejas, onde a Santíssima Trindade é adorado, onde o Espírito Santo é glorificado em hinos, e os anjos são honrados com o canto das deidades e da encarnação na palavra de Deus, ele quer transformar nossos monastérios em sua blasfêmia, santuários da loucura e do falso profeta, Maomé, bem como, em estábulos para seus cavalos e camelos.

Considere então, meus irmãos e camaradas de armas, como a comemoração de nossa morte, de nossa memória, e que nossa fama e liberdade possam ser eternos.


Posição final do Imperador Constantino XI - Belíssima arte de Giuseppe Rava.

Fonte

Discurso retirado de George Sphrantzes ou Jorge Frantzes, historiador bizantino nascido em Constantinopla e que testemunhou o Cerco de Constantinopla e sua queda.

518 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page