top of page

CARTAS DE CORTÉS - PARTE XXXVII

Espanhóis Constroem um Aríete


Daquela torre eu sobrevivi as partes da cidade que caíam em nossas mãos completando sem dúvida sete oitavos ao todo; E vendo que isso não era possível pois muitas pessoas agora estavam vivendo em espaços pequenos, especialmente as casas que sobreviveram de certa forma eram pequenas e cada lugar que estava em pé era rodeado pela água; Acima de tudo, considerando a grande fome que prevalecia sobre eles dos quais vimos que haviam comido raízes e cascas de árvores que encontramos nas ruas, que forneciam ampla prova; Eu determinei que descontinuássemos as hostilidades por alguns dias e que pudéssemos oferecer algumas condições para a tão grande multidão e salvá-los da destruição; Assim como isso ocasionou grande sofrimento e arrependimento em continuar atacando eles, eu continuamente tentava fazer os termos de paz. Mas eles declaravam que não iriam aceitar e a única coisa que eles iriam fazer era morrer com armas em suas mãos; Que nunca teríamos o que eles possuíram, pois iriam queimar e afundar na água cada pertence que possuem e as coisas nunca reaparecerão. Então, não estando disposto a render mal por mal, eu dissimulei meus sentimentos proibindo os homens de atacá-los.

Como tínhamos pouca pólvora restando, nós planejamos por mais de quinze dias a construção de um mecanismo de golpes; Apesar de não possuir engenheiros que possuíssem conhecimentos para tais, alguns carpinteiros começaram a construir uma pequena máquina, que eu teria ideia de como usar. No curso dos dias, durante os quais mantivemos os índios em alojamentos estreitos, nós completamos e o trouxemos a um lugar no mercado em uma construção assemelhando-se ao teatro, que está no centro da praça de pedra e argamassa, cerca de quinze pés de altura e trinta passos de ângulo a ângulo. Esta estrutura tem o objetivo de ser usada em festivais e esportes, então os atores podem ser posicionados facilmente para que todos na praça pudessem vê-los seja em cima e abaixo das arcas. Quando a máquina foi colocada lá, um um atraso de vários dias na situação, durante o qual nossos aliados índios ameaçaram os habitantes alegando que os destruiríamos todos. Não houve outro efeito produzido por aquela máquina senão deixar o povo alarmado, dos quais nós esperávamos uma rendição, pois assim parecia ser suficiente; Mas não teve o resultado esperando e nenhum dos carpinteiros completou o desenho, aonde o inimigo, apesar de temê-lo, induzido a fazer propostas de submissão e escondemos deles os efeitos da máquina por compaixão, pois era proibido usá-la para a destruição deles.


No dias após depositar o aríete no mercado, na entrada da cidade, três ou quatro dias que terminamos a cessada de hostilidades, nós encontramos as ruas que passamos cheias de mulheres, crianças e outros objetos quebrados, todos morrendo de fome e perambulando com olhares angustiados e abatidos, presenciando o espetáculo mais melancólico do mundo; Então eu ordenei aos nossos aliados para mão causar-lhes prejuízos. Mas nenhum de nossos guerreiros que estavam por lá pareciam possíveis de oferecer qualquer ferimento, apesar de termos vistos eles nos terraços, cobertos com o mantos que estavam acostumados a vestir e sem armas. Eu os enviei propostas de paz, mas suas respostas eram enganosas como se passassem grande parte do dia em seus negócios, então informei a eles que não tinha intenção de atacá-los mais e meu desejo era que o povo se retirasse, ou então daria ordens para meus aliados destruí-los.


Hernán Cortés, Terceira Carta, Páginas 319 -321.



Fonte: American Historical Association

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page