top of page

CARTAS DE CORTÉS - PARTE XXI

Cortés Retorna a Tenochtitlan


Eu continuei em minha rota, e na noite percorremos três ligas para a Grande Cidade. No próximo dia após ouvir a missa eu resumi minha marcha e próximo ao anoitecer eu entrei na cidade (dia 24 de junho de 1520); Vendo apenas poucas pessoas e observando os portões removidos das ruas, eu não gostei da aparência das coisas, apesar do povo estar alarmado do que ocorrera e quando eu me restabelecesse na cidade, tudo ficaria quieto novamente. Eu marchei diretamente para a fortaleza, na qual, o grande templo adjacente, onde todas as tropas estavam acampadas e estacionadas; Aqueles que estavam na fortaleza nos receberam com grande alegria e entusiasmo como se nós tivéssemos restaurado suas vidas, que eles haviam consideradas perdidas. Passamos o dia e a noite com bastante alegria, acreditando que a paz havia retornado. No próximo dia, após a missa, eu enviei uma mensagem a cidade de Vera Cruz, para enviar as boas notícias de que os cristãos estavam vivos e que entrei na cidade, que estava bem quieta. O mensageiro retornou cerca de meia hora de sua partida, coberto de hematomas e feridas, chegando e alegando que todos os indianos na cidade estavam com armas e que eles levantaram as pontes; E logo depois um ataque foi feito contra nós com uma quantidade imensa de pessoas de tudo quanto era lado, tão grande que nem as ruas e os telhados das casas eram visíveis, de tanta multidão que emitia gritos e barulhos horríveis. Pedras eram arremessadas de fundas em números tão grandes na guarnição que pareciam chuva; Dardos e flechas eram arremessados das casas e telhados e praças. Eram impossível avançar pelas praças. Eu saí e avancei em dois a três pontos diferentes, onde houveram embates fortes com nossos homens; Em um momento, quando o capitão liderou duzentos homens, eles caíram sobre os homens antes de reformarem em ordem e mataram quatro de seus números, além de ferir o capitão e outros. Também fui ferido, e muitos espanhóis foram comigo para os aposentos. Nós destruímos apenas alguns dos inimigos, pois eles tomavam refúgios nas pontes e causavam muitos danos dos telhados das casas e terraços, alguns caíam em nossas posições e eram queimados. Mas eles eram tão numerosos e fortes e bem defendidos com muito suprimento de pedra e outras armas que toda nossa força não era suficiente para tomá-los, ou prevenir do inimigo nos atacar como desejasse.


O ataque na fortaleza ou a guarnição fora feito com tanta violência que eles conseguiram colocar fogo em várias partes e ter uma porção considerável e muita coisa foi queimada e mal conseguimos impedir, até que cortamos uma parte das muralhas e elevamos uma parte do chão, impedindo o avanço do fogo, que obstruiu o progresso do fogo e assim o extinguiu. E não foi apenas pelo grande cuidado que usei em posicionar os mosqueteiros, arqueiros e outras peças de artilharia, eles poderiam ter escalado nossas muralhas e não seríamos capazes de detê-los. Assim nós lutamos o dia inteiro até o sol se por e a escuridão nos envolver e eles continuaram a nos assaltar com barulhos e alarmes até o amanhecer. Durante a noite eu direcionei aos homens a reparar os danos e brechas causados pelo fogo, junto com outras partes da guarnição; Arrumamos os aposentos, determinando quem ficaria por alí no próximo dia e quem ficaria no combate; Ao mesmo tempo eu tomei medidas de cautela, indo cuidar dos feridos, que somavam mais de oitenta.


Assim que a luz do dia apareceu o inimigo renovado tinha um vigor ainda maior para o combate e parecia que seus números ficavam ainda maiores, pois não era necessário grande nivelamento das armas, apenas direcioná-la contra a massa de indianos. Apesar das armas causarem um grande dano, havíamos jogado fora trinta arcabuzes, fechos de mechas e bestas, pois elas produziam tão pouca impressão que seu efeito ameaçador era quase nulo diante do ataque que derrubaria dez a doze homens e estes números seriam repostos imediatamente, sem nenhuma perda aparente. Levando a guarnição para as forças de defesa, tão vasta quanto pude, avancei com o resto e tomei do inimigo bastante pontes, ateando fogo em várias casas e destruindo as pessoas que as defendiam; Eram tão numerosos que apesar de machucarmos, o efeito era imperceptível. Nossos homens eram compelidos a lutar o dia todo sem cessar enquanto o inimigo tinha intervalos e forças novas, além da grande abundância de homens. Mas nenhum de nossos homens foram mortos naquele dia, mas tivemos cinquenta ou sessenta feridos e continuamos até a noite.


Vendo a enganação feita pelo inimigo em sangrar a terra e matar nosso povo, enquanto eles estavam desarmados, ou se nós causamos algumas perdas, foi imediatamente reparado por seus grandes números, nós passamos toda a noite do próximo dia três grandes máquinas de madeira, dentro das quais caberiam vinte homens cobertos de uma prancha grossa para protegê-los das pedras atiradas dos telhados e terraços das casas. As pessoas que seriam transportadas nestas máquinas seriam arqueiros, besteiros e mosqueteiros, junto de outros providos de espadas, picaretas e barras de ferro, para demolir as barricadas colocadas nas ruas e derrubar algumas casas. Enquanto nós construíamos estas máquinas, o inimigo não cessava os ataques; E tão resoluto eram eles que quando avançamos de nossos aposentos, eles tentaram entrar nos mesmos e tivemos problemas o suficiente para impedir o progresso dos indianos.


Hernán Cortés, Segunda Carta, Páginas 146 - 151.



Feroz Embate de Espanhóis e Astecas.

Fonte: American Historial Association.

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Σχόλια


bottom of page